[ Pobierz całość w formacie PDF ]

nosso próprio comportamento. Isso inclui, primeiro, a certeza de que os padres pelos quais
julgamos so verdadeiramente nossos e no meros valores de outros que nos sentimos
obrigados a seguir sem convico. Segundo, precisamos conduzir nossas avaliaes com uma
atitude no apenas de honestidade, mas de simpatia  uma disposio de considerar o contexto e
as circunstncias dos nossos atos, bem como as opes ou as alternativas que percebemos estar
disponveis para nós. Em assuntos nos quais nos sentimos verdadeira e apropriadamente
culpados, precisamos tomar MEDIDAS ESPECFICAS para resolver a culpa, em vez de apenas
sofrer de forma passiva.
Se acaso viver com culpa uma fuga...
Se eu estivesse disposto a me perdoar...
Uma vez que procuro entender por que ajo como ajo...
Conforme eu for aprendendo a viver segundo os meus próprios padres...
" Precisamos aprender a NUNCA nos desculpar ou nos repreender por nossos valores ou tentar
rejeit-los. Precisamos ter a coragem de assumir nossas foras e nossas vantagens. De outra
forma, inevitavelmente trairemos a auto-estima.
Se eu me recusar a pedir desculpas por minhas virtudes...
Se eu for honesto quanto a minhas vantagens...
Se eu tiver prazer por mim mesmo...
Se eu admitir que gosto de mim...
" Precisamos reconhecer, fazer amizade, dialogar e afinal abraar nossos sub-eus, ou
subpersonalidades, para que possamos nos sentir inteiros, sem divises, INTEGRADOS.
Na medida em que aprendo a abraar o meu eu-criana...
Na medida em que aprendo a abraar o meu eu-adolescente...
Se eu rejeitar a pessoa que um dia fui...
Se eu fizer amizade com todas as partes de mim...
Estou comeando a ver que...
" Precisamos viver de maneira ativa e no passiva, para assumir responsabilidade por nossas
opes, sentimentos, atos e bem-estar, pela realizao de nossos próprios desejos, por nossa
própria existncia. Como a independncia, a produtividade uma virtude bsica da auto-estima,
sendo o trabalho uma das formas prticas de manifestar a auto-responsabilidade.
Se eu assumir plena responsabilidade por meus atos...
Se eu assumir plena responsabilidade pelas coisas que digo...
Se eu persistir em culpar os outros...
Se eu insistir em me ver como vtima...
Se eu aceitar que minha felicidade só depende de mim...
" Autoconfiana e auto-respeito so sustentados por uma vida conduzida com autenticidade. Essa
a coragem de ser quem somos, preservar a congruncia entre o nosso eu interior e o eu que
apresentamos ao mundo. Num sentido literal, isso significa viver com assertividade; aquilo que
pensamos, valorizamos e sentimos manifestamos no mundo. No nos relegamos aos
subterrneos do no-expresso e do no-vivido.
Na medida em que aprendo a ser mais honesto com o que penso e sinto...
Na medida em que aprendo a ser honesto com meus desejos...
Quando penso em algumas das mentiras pelas quais vivi...
Quando eu estiver pronto para abrir mo dessas mentiras...
Se eu precisar de tempo para viver com integridade...
Se eu estivesse disposto a me dar o tempo de que preciso para aprender...
Se eu estivesse disposto a deixar as pessoas ouvirem a msica que toca dentro de mim...
Se eu estivesse disposto a mostrar s pessoas quem eu sou...
medida que vou aprendendo a ser simplesmente eu mesmo...
" Ao apoiar a auto-estima dos outros, apoiamos a nossa própria. Assim, a auto-estima
beneficiada quando vivemos com benevolncia.
Se eu lidar com as outras pessoas com respeito e benevolncia...
Se eu der aos outros a boa vontade que desejo que dem a mim...
Se eu me permitir entender o que estive lendo...
Se eu aceitar que posso ainda no estar pronto para absorver todo esse conhecimento...
Se eu me der permisso para crescer no meu próprio ritmo...
Se este o comeo de uma grande aventura...
" Precisamos entender que, como um ideal tico-psicológico, a auto-estima implica e pressupoe o
valor supremo de uma vida individual. Ela repousa em uma viso moral que v cada pessoa com
um fim em si e  em oposio doutrina da auto-renncia e do auto-sacrifcio  sustenta o auto-
interesse racional como princpio orientador.
Se eu no existo para servir os outros...
Se as outras pessoas no existem para me servir...
Se a minha vida pertence a mim...
Se eu realmente tenho direito existncia...
Se o auto-sacrifcio no vai me comprar auto-estima...
Se preciso coragem para ser honrosamente egosta...
Estou ficando consciente...
No incio do livro, vimos que cada um dos comportamentos que resumi acima tanto uma fonte
como uma manifestao de boa auto-estima  causa e consequncia  o princpio da causalidade recproca.
Como podemos aumentar a nossa auto-estima? Praticando esses comportamentos. Vivendo
conscientemente, com auto-aceitao, responsabilidade, autenticidade, benevolncia e integridade.
H grandes recompensas por isso, mas tambm h desafios. Seja qual for o seu nvel atual de auto-
estima e a vida que voc criou para refleti-la, agora mesmo voc pode estar vivenciando o conforto do
familiar  o conforto do conhecido  e intuitivamente pode sentir que crescer em auto-estima abandonar
aquela zona de segurana e entrar no desconhecido.
 Se eu aumentar a minha auto-estima , dizem-me os clientes,  como vou saber commo sero as [ Pobierz całość w formacie PDF ]